Cineciência de janeiro, no MIS, tem M – O Vampiro de Dusseldorf, dia 8 de janeiro

4.cinemis

A obra-prima do diretor alemão Fritz Lang, M – O Vampiro de Dusseldorf, abre a programação de 2017 do #Cineciência do MIS, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, que mensalmente traz um filme acompanhado por debate com especialistas. A sessão acontece no dia 8 de janeiro, às 16h, no Auditório LABMIS (66 lugares). A entrada é gratuita – basta retirar o ingresso com 1h de antecedência na bilheteria.

Após exibição do longa de 1931, clássico do expressionismo alemão, a historiadora Laura Trachtenberg Hauser debate com o público as questões sociais e culturais apresentadas no filme.

M – O Vampiro de  Dusseldorf (The Andromeda Strain, 1931, Alemanha, Dir. Fritz Lang), conta a história de marginais de uma cidade alemã que se unem para caçar um assassino de crianças procurado pela polícia. Capturado, ele é julgado por um tribunal de criminosos e acusado de ter quebrado a ética do submundo. O cineasta alemão, que negou emprego do próprio Hitler, criou sua maior obra-prima com esse filme. É verdade que cinco anos antes, em 1926, Fritz Lang dirigiu com maestria técnica o futurista Metrópolis, mas é com M que o mesmo diretor chegou ao ápice de sua carreira. Inspirado claramente pelo Expressionismo Alemão (tendência artística inspirada no temor ao desconhecido e ao sobrenatural), cujos primeiros exemplos no cinema são filmes como O Gabinete do Dr. Caligari e Nosferatu, M possui uma fotografia característica do movimento, cheia de sombras e escuridão, e personagens misteriosos, além de momentos aterrorizantes. É reconhecido hoje como o primeiro grande filme da cinemateca alemã. O filme foi baseado em um caso verídico, do assassino em série Peter Kuerten, na mesma cidade de Dusseldorf do filme, embora o roteiro tenha muitos elementos fictícios, e fala sobre um infanticida que vem aterrorizando as mães daquela cidade (o assassino original não matava crianças). O criminoso põe toda a força policial e toda a população em alerta, e começa a ser caçado intensamente, a ponto de chegar a atrapalhar os negócios da máfia local, que passa a procurá-lo sem parar também.

Sobre a debatedora
Laura Trachtenberg Hauser é graduada em história pela Universidade Panthéon-Sorbonne, possui um mestrado em Mediação cultural pela Universidade Sorbonne-Nouvelle. Seus principais estudos discorrem sobre os diversos conceitos ou discursos relativos ao que definimos como cultura e seu impacto social através das políticas e instituições culturais no Brasil e na França. Atuando em meio a organização e coordenação de diversos projetos culturais, obteve experiências marcantes como, por exemplo, a assistência à coordenação do setor das Atividades Culturais do Mémorial de la Shoah de Paris (2015), a coordenação local da Festa Literária de Paraty (2014) e a pesquisa para a apostila de formação para os mediadores da exposição Genesis de Sebastião Salgado (2013).
Mediador: José Luiz Goldfarb (coordenador da #REDEMIS e professor PUC-SP)

Serviço

#CINECIÊNCIA | Janeiro
DATA 8.01
HORÁRIO 16h
LOCAL Auditório LABMIS (66 lugares)
INGRESSO gratuito (retirada de ingressos com uma hora de antecedência na Recepção MIS – sujeito à lotação da sala)

Museu da Imagem e do Som – MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo| (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br
Estacionamento conveniado: R$ 18. Acesso e elevador para cadeirantes. Ar condicionado.

 

Fonte: Assessoria de imprensa | SEC
Imagem: divulgação | MIS