Casa Guilherme de Almeida realiza retrospectiva de Orson Welles em parceria com o MIS-SP e Sistema Municipal de Bibliotecas

Casa-Almeida-3

ESPECIAL / PARCERIA COM O MIS E O SISTEMA MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS – É TUDO VERDADE
09 de Maio de 2015 | 15h30
Por Donny Correia
CIDADÃO WELLES: 100 anos depois

Nascido em maio de 1915, Orson Welles teve uma trajetória bastante peculiar no cinema. Num primeiro momento foi considerado um gênio precoce, mas logo sua ousadia e desprezo por convenções sociais e éticas o tornaram uma figura perseguida e marginal. Na oportunidade dos 100 anos de seu nascimento, a Casa Guilherme de Almeida realiza, como homenagem ao cineasta e ator, uma retrospectiva de sua obra – em parceria com o Museu da Imagem e do Som e o Sistema Municipal de Bibliotecas –, focalizando-a por meio de textos críticos escritos por Guilherme de Almeida em sua coluna “Cinematographos”, para o jornal O Estado de S. Paulo.

É TUDO VERDADE (It’s all true, 1942)
Filme inacabado que Welles rodou parcialmente no Brasil. Em 1993, uma equipe de pesquisadores teve acesso ao copião de Welles e finalizou a obra buscando chegar o mais perto possível do que teria pensado seu criador, por meio de anotações e desenhos.

Para conhecer a programação do Museu da Imagem e do Som, acesse: www.mis-sp.org.br

Para conhecer a programação completa das Bibliotecas Roberto Santos e Viriato Corrêa, acesse: www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/bibliotecas

Donny Correia, poeta e cineasta, é mestre em Estética e História da Arte pela USP e bacharel em Letras – tradutor e intérprete pelo Centro Universitário Ibero-Americano (Unibero). Realizou os curtas experimentais Anatomy of decay, Braineraser, Totem, este selecionado para a 34ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e Prêmio Canal Brasil, e In carcere et vinculis. Publicou os livros de poesia O eco do espelho (2005), Balletmanco (2009) e Corpocárcere (2013). É coordenador de programação da Casa Guilherme de Almeida.

Fonte: Casa Guilherme de Almeida