Casa Guilherme de Almeida realiza curso sobre panorama do cinema LGBT no Brasil

Nos encontros, o cineasta Lufe Steffen faz uma linha do tempo da trajetória da cultura LGBT no cinema nacional

Casa Guilherme de Almeida, integrante da Rede de Museus-Casas Literários da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, gerenciada pela Poiesis, realiza entre 4 e 8 de fevereiro o curso LGBTs no cinema brasileiro: um panorama histórico. As inscrições devem ser feitas gratuitamente no site da instituição e os encontros acontecem de segunda a sexta-feira às 19h.

Nos encontros, Steffen traça uma cronologia, do século XX aos dias atuais, para compor a trajetória da cultura LGBT no cinema nacional. Anjos da Noite (1987), de Wilson Barros; O olho mágico do amor (1981), de Ícaro Martins e José Antonio Garcia; O menino e o vento (1967), de Carlos Hugo Christensen; Amor Maldito (1984), de Adélia Sampaio; e Como Esquecer (2010), de Malu de Martino, são alguns dos filmes comentados e debatidos durante o curso.

“É importante resgatar a trajetória de temáticas e personagens LGBTs no cinema brasileiro para conhecer esses trabalhos, pois vejo que muitas vezes a memória se perde, então obras importantes que já antecipavam coisas que discutimos hoje ficam esquecidas”, explica Steffen. “Depois de ter posse desse conhecimento, podemos refletir sobre o que foi, o que está sendo e o que pode ser feito em termos de cinema LGBT no Brasil”.

Lufe Steffen é cineasta e pesquisador de temáticas LGBT no cinema. Dirigiu 10 curtas ficcionais e dois longas documentais, entre eles o premiado São Paulo em Hi-Fi. Autor dos livros Tragam os cavalos dançantes e O cinema que ousa dizer seu nome – este último, obra jornalística sobre o cinema brasileiro LGBT do século XXI –, realizou ainda a série documental Cinema Diversidade, exibida no canal Prime Box Brazil.

SOBRE A CASA GUILHERME DE ALMEIDA

Inaugurado em 1979, o museu Casa Guilherme de Almeida funciona na residência onde viveu o poeta e tradutor paulista Guilherme de Almeida (1890-1969), um dos mentores do movimento modernista brasileiro. Seu acervo é constituído por uma significativa coleção de obras, gravuras, desenhos, esculturas, pinturas, em grande parte de artistas do modernismo brasileiro, como Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Lasar Segall e Victor Brecheret. A Casa – primeira instituição não acadêmica a manter um Centro de Estudos de Tradução Literária no país – oferece uma intensa programação de atividades relacionadas às diversas áreas de atuação de Guilherme de Almeida, que incluem o cinema, o jornalismo e o teatro. A Casa Guilherme de Almeida integra a Rede de Museus-Casas Literários da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, gerenciada pela Poiesis.

SOBRE A POIESIS

A Poiesis – Organização Social de Cultura é uma organização social que desenvolve e gere programas e projetos, pesquisas e espaços culturais, museológicos e educacionais voltados para a formação complementar de estudantes e do público em geral. A instituição trabalha com o propósito de propiciar espaços de acesso democrático ao conhecimento, de estímulo à criação artística e intelectual e de difusão da língua e da literatura.

SERVIÇO

LGBTs no cinema brasileiro – Um panorama histórico

4 a 8/2. Segunda a sexta-feira, 19h às 21h.

Inscrições gratuitas: https://bit.ly/2SZYM8r

Casa Guilherme de Almeida

Anexo: Rua Cardoso de Almeida, 1943 – Perdizes – São Paulo

Museu: Rua Macapá, 187 – Perdizes

Telefone: (11) 3673-1883 | 3672-1391

Funcionamento: de terça-feira a domingo, das 10h às 18h

www.casaguilhermedealmeida.org.br

Fonte: Casa Guilherme de Almeida