Casa G. de Almeida: programação contínua com coletivos e lideranças Guarani-Mbya

Vozes femininas indígenas, a tradição oral Guarani-Mbya e os desafios de sua tradução, e uma mostra com artesanatos Guarani fazem parte da agenda de abril

O museu Casa Guilherme de Almeida, integrante da Rede de Museus-Casas Literários de São Paulo, organiza duas mesas-redondas para ampliar o conhecimento e reflexão a respeito da ancestralidade, cultura e das especificidades linguísticas do povo Guarani. Os encontros estão programados para abril, mês que retoma as resistências e celebra as conquistas dos povos indígenas.

Trata-se de um eixo de programação a ser desenvolvido a partir de agora pelo Centro de Estudos de Tradução Literária da Casa Guilherme de Almeida em cooperação com coletivos e lideranças Guarani-Mbya, etnia presente na cidade de São Paulo.

Como equipamento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e gerenciada pela Poiesis, a Rede de Museus-Casas Literários de São Paulo oferece programação gratuita.

A mesa-redonda Transfluências: saberes ancestrais em vozes femininas contará com Márcia Kambeba, da etnia Kambeba, geógrafa, escritora literomusical e a primeira indígena na Prefeitura de Belém, no cargo da Ouvidoria Geral da cidade; Sandra Benites, descendente do povo Guarani Nhandeva, antropóloga, professora e primeira curadora indígena no MASP; e Evelyn Schuler Zea, antropóloga e professora dos programas de pós-graduação em Antropologia Social e em Estudos da Tradução da UFSC. O encontro online ocorrerá no dia 13 de abril, quarta-feira, a partir das 19h, no canal de YouTube do museu.

A atividade será voltada aos desafios da interculturalidade e questões de gênero, bem como sobre tradução e circulação de valores ancestrais em sociedades capitalistas. Esta mesa-redonda inaugura um ciclo de conversas que pretende abrir um espaço de escuta às intervenções femininas em defesa dos direitos indígenas. O ciclo resulta de uma cooperação entre o Centro de Estudos de Tradução Literária da Casa Guilherme de Almeida e o Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução (PGET) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

A roda de conversa Narrativas Guarani em escuta será presencial e no dia 23 de abril, sábado, a partir das 14h, e com inscrições abertas aqui. Pedro Macena Karai Yapua, líder espiritual, psicólogo e educador da tradição Guarani-Mbya na Terra Indígena Jaraguá, em São Paulo, e Mirindju Mano Glowers, originário do povo Guarani-Mbya, rapper, produtor, ARTivista da Terra Indígena Jaraguá e guardião da Nhe’ery Mata Atlântica, dialogam sobre histórias da tradição oral Guarani-Mbya, além de destacar as diferenças culturais e linguísticas que tornam a sua tradução para o português um desafio. O público presente também poderá conferir uma mostra com a venda de artesanatos Guarani.

Acesse o site da Casa Guilherme de Almeida e fique por dentro de toda a programação.

Serviço

MESA-REDONDA TRANSFLUÊNCIAS: SABERES ANCESTRAIS EM VOZES FEMININAS
Por Márcia Wayna Kambeba e Sandra Ara Benites

Curadoria e mediação: Evelyn Schuler Zea
13 de Abril de 2022, quarta-feira, das 19h às 21h
Ao vivo no canal de YouTube do museu – defina o lembrete

RODA DE CONVERSA NARRATIVAS GUARANI EM ESCUTA

Por Mirindju Mano Glowers e Pedro Macena Karai Yapua

Evento ainda traz uma mostra de artesanatos guarani
23 de Abril de 2022, sábado, das 14h às 17h

30 vagas | Presencial: Rua Macapá, 187 — Perdizes, São Paulo –SP
Para realizar a inscrição até 21/04, clique aqui


Museu – R. Macapá, 187 – Perdizes | CEP 01251-080 | São Paulo
Anexo: Rua Cardoso de Almeida, 1943 — Sumaré, São Paulo/SP
Tel.: 11 3673-1883 | 3803-8525 | 3672-1391 | 3868-4128
Agende sua visita e confira as medidas de segurança para se proteger da Covid-19 pelo site do museu.

Algumas atividades continuam on-line e com programação pelos sites do museu ou +Cultura

Acessibilidade: rampa de acesso, elevador, piso podotátil e banheiro adaptado; videoguia em Libras e réplicas táteis.
Programação gratuita

SOBRE A CASA GUILHERME DE ALMEIDA

Inaugurada em 1979, a Casa Guilherme de Almeida, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerenciada pela Poiesis, está instalada na residência onde viveu o poeta, tradutor, jornalista e advogado paulista Guilherme de Almeida (1890-1969), um dos mentores do movimento modernista brasileiro. Seu acervo é constituído por uma significativa coleção de obras, gravuras, desenhos, esculturas, pinturas, em grande parte oferecidas ao poeta pelos principais artistas do modernismo brasileiro, como Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Emiliano Di Cavalcanti, Lasar Segall e Victor Brecheret. Hoje, o museu oferece uma série de atividades gratuitas relacionadas a todas as áreas de atuação de Guilherme de Almeida, da literatura traduzida ao cinema, passando pelo jornalismo e pelo teatro. Trata-se da primeira instituição não acadêmica a manter um Centro de Estudos de Tradução Literária no país.

Fonte: Casa Guilherme de Almeida