Casa G. de Almeida oferece palestra sobre jogo e tradução

A Casa Guilherme de Almeida realiza, dia 28 de setembro, das 19h às 21h, a palestra “Do jogo da tradução à tradução como jogo”, ministrada pelo especialista Marcelo Diniz.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas AQUI.

Considerando três obras relevantes da literatura experimental, Cent Mille milliards de poèmes, de Raymond Queneau  (1961), La disparition, de Georges Perec (1969) e Galáxias, de Haroldo de Campos (1984), pretende-se refletir sobre as tensões históricas implicadas na prática da tradução e do lúdico como procedimentos poéticos, desde os Grandes Retóricos franceses até as práticas do OULIPO e os procedimentos da transcriação haroldiana.

Com esse repertório, além de apresentar traduções pontuais do topos da metalinguagem na poesia francesa de Clément Marot (sec. XVI) a Raymond Queneau (sec. XX), intenta-se uma reflexão a respeito do paradoxo da impossibilidade da tradução de poesia e sua prática constante por poetas.

Esta atividade poderá contar como crédito de horas para o Programa Formativo para Tradutores Literários.

Marcelo Diniz

É professor do Departamento de Ciências da Literatura (UFRJ). Em sua pesquisa sobre poesia moderna e contemporânea, atém-se às relações da poesia com a metalinguagem, o lúdico e o corpo, do qual desdobra seu trabalho como tradutor de poesia francesa e seus estudos sobre a obra de Glauco Mattoso. Traduziu Notre Dame de Paris, de Victor Hugo (Estação Liberdade, 2010). Além de atuar como parceiro frequente das letras para o trabalho musical de Fred Martins, é autor dos livros de poesia Trecho (2002) e Cosmologia (2004).

Fonte: Casa Guilherme de Almeida