Acondicionamento e higienização conservam o acervo do Museu do Café

2.museudocafeacondicionamentodeacervo

Equipes técnicas da instituição realizam armazenamento das coleções e manutenção frequente

Quem visita um museu, se encanta pelas peças em exposição e história que cada objeto traduz em sua materialidade, porém, muitas vezes, não imagina como é delicado e fundamental o cuidado para conservar, acondicionar e higienizar o acervo museológico. No Museu do Café, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, a equipe técnica é responsável por esse processo, que demanda muita atenção por conta das condições climáticas da área onde a reserva técnica está localizada, por serem adversas e necessitarem de um monitoramento permanente.

Para isso, são utilizados instrumentos de medição e controle de temperatura e umidade, entre eles desumidificadores, ventiladores e termohigrômetros. Com esses equipamentos, é possível acompanhar o comportamento dos materiais e adequar às condições climáticas ao tipo de cada um, de acordo com a realidade e possibilidade do espaço.

A reserva técnica, área de armazenamento das coleções, encontra-se em salas no segundo e terceiro andares no próprio edifício-sede do Museu, a Bolsa Oficial de Café. Para proteção do acervo, a infraestrutura disponível passou por adaptações e a manipulação é realizada apenas pela equipe técnica, formada por museólogo, documentalista e arquivista. Atualmente, este espaço acondiciona, aproximadamente, 2 mil objetos.

No 3º andar, o mobiliário é composto por 12 estantes de metal com 5 prateleiras cada. Pensando em diminuir a entrada de poluentes na reserva, a equipe utiliza o TNT (Tecido Não Tecido) para vedar as janelas, que são mantidas fechadas, e embalar as estantes, que acondicionam os objetos, minimizando a incidência de sol sob os acervos.

O acondicionamento é determinado pela forma, tamanho e volume dos objetos. Caso sejam de grande porte e peso, são sustentados por pallets de plástico e cobertos com TNT. Dependendo da peça, são personalizadas e confeccionadas embalagens em materiais neutros. Além desse processo, a higienização faz parte do trabalho de conservação. Por isso, é realizada, semanalmente, com trinchas, pinceis e aspirador de pó para a retirada de pequenas sujidades. Qualquer mudança de localização é documentada por meio de mapa topográfico e as consultas ao acervo são acompanhadas por meio de sistema de banco de dados e planilhas de inventário.

 

 

Museu do Café
Rua XV de Novembro, 95, Centro Histórico de Santos.
Horário de funcionamento: terça a sábado das 9h às 17h, e aos domingos entre 10h e 17h. Ingressos: R$ 6,00 estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia-entrada. Aos sábados, a visitação é gratuita.
A Cafeteria do Museu funciona de segunda a sábado das 9h às 18h, e aos domingos entre 10h e 18h.
Outras informações estão disponíveis no site www.museudocafe.org.br.
 
 
Fonte: Museu do Café
Imagem: divulgação