Acessibilidade foi tema de mesa redonda virtual do Museu do Café

Envolver diversos setores em um processo participativo auxilia instituições a tornarem seus espaços convidativos, abertos e inclusivos. Pensando na importância do tema da acessibilidade, o Museu do Café promoveu uma mesa redonda on-line sobre o assunto no dia 2 de março, às 15h, pela plataforma Zoom. A ação, intitulada “Mobilidade e afetos: acessibilidade em museus”, foi em parceria com o Sistema Estadual de Museus de São Paulo (SISEM-SP), instância da Secretaria de Cultura e Economia Criativa e o grupo Orla Cultural.

Integrando a mesa, esteve a gestora do núcleo educativo do Museu do Café, Daniella Oliveira, profissional graduada em Estudos Sociais, com licenciatura plena em História. É especialista em patrimônio cultural: preservação e memória e atuou nas áreas de educação não formal e formal na rede pública do Estado de São Paulo e dos municípios de Guarujá e Praia Grande.

Na ocasião, também marcou presença a coordenadora do setor educativo do Museu do Futebol, Ialê Cardoso. Ela é graduada em Artes Plásticas e, atualmente, gerencia o programa de acessibilidade do MF, dentro do qual desenvolveu projetos premiados, como o “Deficiente Residente”. A arquiteta Silvia Arruda completou a lista de convidados, trazendo para a conversa suas vivências relacionadas aos mais de 300 projetos de expografia especializada em acessibilidade de edifício. Em 2013, seus esforços renderam reconhecimento do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) por meio de uma premiação.

Fonte: Museu do Café