Aberta inscrições para o Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça

5.MarcantonioVillaca 2015

 

O Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas é um dos mais tradicionais prêmios de arte do país e completou 10 anos em 2014. Em suas cinco edições, 25 artistas e dois curadores foram contemplados com bolsas para produção de trabalhos que percorreram todo o Brasil.

A cada edição, o prêmio contempla cinco artistas, cujo trabalho é acompanhado por um crítico ou curador de arte. Ao fim dessa etapa, as obras selecionadas são reunidas em exposições itinerantes em algumas capitais estaduais, de diferentes regiões do país e, posteriormente, doadas ao acervo de instituições culturais.

Paralelamente às mostras, são realizados programas educativos para a promoção da cultura na sociedade brasileira. O prêmio propõe a integração das artes em suas diversas manifestações e promove o fortalecimento dos acervos públicos brasileiros. A premiação também estimula a diversidade e a compreensão de valores éticos e estéticos por meio de iniciativas de arte-educação. Para os artistas, a iniciativa apoia a produção do trabalho e também o estudo crítico das obra, a divulgação em mostras e a documentação por meio de catálogos.

Em sua 6ª edição, o Prêmio CNI Sesi Senai Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas (2016-2018) irá selecionar cinco artistas e um curador nesta edição: cada artista premiado receberá R$ 50 mil e o curador R$ 25 mil. Os trabalhos também irão circular em mostras itinerantes em algumas cidades do Brasil.

A premiação tem o objetivo de contribuir para a interação entre a atividade cultural e o desenvolvimento econômico do país, estimulando a atividade artística e a formação educacional.
As inscrições são gratuitas e estarão abertas até 27 de fevereiro de 2017. O registro pode ser feito pela internet ou pelos Correios. Confira o regulamento do prêmio e saiba como participar, clique aqui.

 

 
Fonte: IBram
Imagem: Exposição em SP dos premiados da 5ª edição do Prêmio Marcantonio Villaça (2015)Foto: José Paulo Lacerda/Divulgação CNI