32ª Bienal de SP anuncia lista final de artistas

Edição, a ser inaugurada em setembro, terá 81 participantes de 33 países, entre eles, o cineasta Leon Hirszman e os artistas Frans Krajcberg e Jonathas de Andrade

O cineasta Leon Hirszman (1937-1987) e o escultor Frans Krajcberg, que, aos 95 anos, vai exibir criações inéditas, assim como os artistas brasileiros Jonathas de Andrade, Dalton Paula (como o Estado havia antecipado), Ana Mazzei, Maria Thereza Alves, Sonia Andrade e Wlademir Dias-Pino, são alguns dos nomes da lista final de participantes da 32.ª Bienal de São Paulo, divulgada na quarta-feira, 4, pelos organizadores do evento. Sob o títuloIncerteza Viva e com curadoria-geral de Jochen Volz, a edição, a ser inaugurada em 10 de setembro, vai ser composta por trabalhos de 81 criadores e coletivos de 33 países.

Bienal sp escultor
O escultor e ambientalista Frans Krajcberg (Foto: Estadão)

Em 8 de dezembro de 2015, a curadoria da 32.ª Bienal, formada ainda pela sul-africana Gabi Ngcobo, a brasileira Júlia Rebouças, o dinamarquês Lars Bang Larsen e a mexicana Sofía Olascoaga, anunciou o título da exposição e uma lista de 54 convidados na qual constavam o francês Pierre Huygue, os brasileiros Gilvan Samico (1928-2013) e Bené Fonteles, e o belga Francis Alÿs. De uma forma geral, a seleção com os 27 novos nomes revela a notável presença de artistas jovens, nascidos a partir da década de 1970, e de criadores da América Latina e da África.

“Pensamos muito qual seria o papel da Bienal de São Paulo hoje e com certeza não é mais o de ser a única janela para o mundo; ela se torna também uma articuladora de uma região geopolítica do Sul por ser o maior evento cultural do Hemisfério Sul”, afirma Jochen Volz ao Estado. Outra característica importante é o fato de o projeto do evento contar com cerca “de 70% a 80%” de obras comissionadas para o evento, como calcula o curador.

Segundo Volz, a produção marcante de trabalhos inéditos para a mostra foi motivada durante o diálogo da curadoria com os artistas sobre os temas de reflexão desta edição. “Muitos reagiram de forma a começar a trabalhar projetos específicos para a 32.ª Bienal”. Entre as “pistas” destacadas pelos curadores para conceber Incerteza Viva e debater com os criadores convidados, estão questões como ecologia; “inteligência coletiva, artificial e os saberes indígenas”; assim como “corpo e gênero na sociedade e na arquitetura”; a ideia de narrativas, no sentido de história; e a cosmologia – “quais são as lendas dos inícios e as previsões do fim?”, esclarece o historiador, de origem alemã. “A pesquisa se desenvolveu mais no sentido de ver quais artistas são relevantes nessas discussões.”

Sendo assim, não seria possível falar de ecologia, um dos eixos centrais da 32.ª Bienal, “sem ter a voz do Krajcberg”, diz Jochen Volz. O curador refere-se ao escultor e ambientalista polonês, que chegou ao Brasil em 1948, e, vivendo em Nova Viçosa, na Bahia, é conhecido por suas obras de denúncia feitas com troncos e cipós carbonizados. Outra participação de destaque no segmento dedicado ao tema ecológico será a da colombiana Alicia Barney, frisa o curador.

Mas, por outro lado, há também neste momento de crise econômica um lado prático na aposta pela produção intensa de obras comissionadas para a edição. “Na situação atual, com o câmbio como está, não é mais muito fácil trazer obras prontas de outro lugar e às vezes é mais interessante trazer um artista e tê-lo desenvolvendo um projeto em uma residência aqui”, comenta Volz.

Veja a lista de artistas da 32.ª Bienal de São Paulo:
(os nomes marcados com * não constavam na lista preliminar, anunciada em dezembro de 2015) 

Alia Farid
Nasceu em Kuwait, 1985. Vive e trabalha no Kuwait e em Porto Rico

* Alicia Barney
Nasceu em Cali, Colômbia, 1952. Vive e trabalha em Bogotá, Colômbia

* Ana Mazzei
Nasceu em São Paulo, Brasil, 1980. Vive e trabalha em São Paulo, Brasil

CONFIRA A LISTA COMPLETA AQUI

Fonte: Estadão