2º Oficina de Conservação de Patrimônios Edificados

4.oficinamuseucana

O Museu da Cana, espaço que se tornou um campo de conhecimento e formação na preservação de patrimônios históricos, dedicará uma oficina para a difusão da técnica de construção em taipa de mão, também conhecida como pau-a-pique ou taipa de sopapo, técnica construtiva antiga, muito utilizada na tipologia de construção rural paulista e mineira e fundamentada nas técnicas em arquitetura de terra. Por ser uma técnica construtiva que usa barro como base fundamental, a taipa de mão é considerada uma técnica biossustentável e muito utilizada na bio-construção.
 

PÚBLICO ALVO

Graduados e graduandos de arquitetura, história, artes e interessados na conservação do patrimônio histórico e culturais e agentes no campo de construções biosustentáveis e bio-construção.
 

METODOLOGIA

Introdução teórica: origens da taipa de pilão e taipa de mão, sua importância no patrimônio arquitetônico paulista; etapas da construção em taipa; noções de argamassa para taipas; e panorama do uso das construções em terra na atualidade.

Prática e vivência: escolha do local e teste da composição da terra; Taipa de pilão: preparação do taipal e da massa de terra; Taipa de mão: preparação da trama e da massa de terra; Preparação e aplicação da argamassa de barro e acabamentos.
 

FACILITADORES

Joaquim Carlos da Cruz Felício: Mestre de Obras com especialização em técnicas tradicionais e construção seca; instrutor em cursos de formação de mão de obra para construção civil e pesquisador de processos construtivos tradicionais e bioengenharia. Atuou no SENAI e na Assinco na formação de mão de obra especializada em construção civil. É membro atuante do Instituto Memórias do Brasil. Formado também em Gastronomia pela Hotec.

Milton Torres Mendes: Graduado na área de Saúde, Mestre de Obras com especialização em aço e concreto pelo Grupo Falcão Bauer, instrutor em cursos de formação de mão de obra para construção civil e pesquisador de processos construtivos, inclusive na Europa. Atualmente presta consultoria na área e atua como instrutor no Instituto Memórias do Brasil.

Sandra Maria Marciano: Graduada e Mestre em Geografia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, bacharel em Letras pela mesma instituição; educadora em Patrimônio Histórico e Cultural e pesquisadora de Manifestações Culturais Brasileiras e seus movimentos dentro da História Social. Co-idealizadora do Instituto Memórias do Brasil.

Taís Freitas de Souza: graduada em Mecânica pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo, Graduada e Mestre em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Mestre de obras, atuou como instrutora em cursos de formação em construção civil pelo SENAI e Assinco. Educadora em Patrimônio Histórico Edificado. Técnica em Conservação Patrimonial pela Faculdade São Bento e Museu de Arte Sacra de São Paulo. Pesquisadora de técnicas construtivas tradicionais. Guia de turismo Regional São Paulo, Nacional e América do Sul, especializada em roteiros de arquitetura. Co-idealizadora do Instituto Memórias do Brasil.
 

DATA

12 e 13 de novembro de 2016
 

LOCAL

Museu da Cana
Fazenda Engenho Central, 1 – Zona Rural Pontal, Pontal – SP

 

 

INCRIÇÕES

R$ 80,00 incluindo no valor da inscrição transporte de Sertãozinho (Terminal Rodoviário) até o Museu da Cana (ida e volta) e lanche para os dois dias.


Mais informações no telefone (16) 3497-5008 ou educativo@museudacana.org.br

 

Fonte: Museu da Cana
Imagem: divulgação