Disponibilizado produto final da ASTECA de Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus

img_1998O Sistema Estadual de Museus formalizou, no dia 01 de dezembro de 2016, o produto final da Ação de Assessoramento Técnico e Capacitação de Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus, realizada entre abril e maio no Museu Ferroviário Regional de Bauru. O material, composto por uma proposta de Programa Educativo destinado ao museu que sediou as atividades, é resultado da compilação das atividades realizadas in loco pelos participantes.

A entrega do documento contou com a participação do diretor do Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus – GTC SISEM-SP, Davidson Kaseker, o Secretário da Cultura de Bauru, Elson Reis, e membros da equipe do próprio Museu Ferroviário e de outros equipamentos culturais da cidade.

O download do material pode ser realizado clicando no link a seguir:

Proposta de Programa Educativo_Asteca Inaem

Redes de museus e acessibilidade são temas principais do segundo bloco de encontros na ASTECA INAEM

IMG_1344Nos dias 2, 3 e 4 de maio, o Museu Ferroviário Regional de Bauru recebeu o segundo bloco de atividades da Ação de Assessoramento Técnico e Capacitação de Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus (ASTECA INAEM), com a orientação do especialista em Museologia Laerte Machado.

No primeiro dia do encontro, tivemos a oportunidade de discutir alguns importantes conceitos com relação ao trabalho em instituições museológicas organizadas em redes, permitindo a criação de um circuito cultural entre os diferentes equipamentos culturais de uma determinada região, bem como o intercâmbio de profissionais, conteúdos, acervos e experiências. À tarde, os participantes puderam se reunir em seus grupos, formados no encontro anterior, para adiantar as discussões sobre a atividade final da ação, a criação do Programa Educativo do Museu Ferroviário.

No segundo dia, pudemos realizar uma visita técnica aos diversos equipamentos culturais da cidade de Bauru, no intuito de reforçar os conceitos trabalhados no dia anterios sobre as redes de museus. Durante a tarde, o orientador Laerte Machado apresentou um novo tema para reflexão: ações de fortalecimento o acesso a instituições museológicas.

No último dia do encontro, pudemos refletir um pouco mais sobre uma outra importante etapa na concepção de um programa educativo em museus: a elaboração de diferentes roteiros que estimulem a constante valorização do patrimônio cultural e permitam a experiência no museu algo sempre novo e único.

Disponibilizamos a seguir mais uma das apresentações planejadas para a ASTECA INAEM.

O grupo retorna para concluir a primeira edicação da Ação de Assessoramento Técnico e Capacitação nos dias 16 e 17 de maio, quando o Programa Educativo do Museu Ferroviário Regional de Bauru será entregue.

Apresentação

Apresentação 6 – Acessibilidade

ASTECA de Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus começa em Bauru

LOGOS_ASTECA_INAEM

Nos dias 18, 19 e 20 de abril, 21 participantes de sete municípios estiveram no Museu Ferroviário Regional de Bauru para as primeiras atividades da Ação de Assessoramento Técnico e Capacitação de Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus (ASTECA INAEM).

As ASTECAs são novas iniciativas do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) em parceria com a Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari (ACAM Portinari) para qualificar profissionais de museus do Estado de São Paulo por meio da construção colaborativa de seus conteúdos. A partir das apresentações e das observações do orientador da Ação, o professor Laerte Machado, e agregando as experiências prévias dos participantes, a ação visará a elaboração e a formatação do Núcleo Educativo da instituição sede por meio da redação de um programa educativo que contemple suas características institucionais e respeite a natureza de seu acervo.

No primeiro dia das atividades, as bases da ação foram fundamentadas a partir de uma apresentação do professor Machado, discutindo a natureza educativa dos Museus, considerando a extroversão do patrimônio cultural como uma das principais atividades-fim de uma instituição museológica. Em seguida, os participantes discutiram a importância do discurso museológico e a subjetividade da construção do patrimônio cultural por meio de uma ação poética na qual os mesmos trocavam objetos que lhes eram importantes afetivamente e os colegas, apenas por meio da análise das peças, deveriam achar pelos quais elas eram caras aos seus respectivos donos. Antes do término do primeiro encontro, o professor Machado ainda introduziu as primeiras orientações para a próxima atividade prática, que seria realizada no dia seguinte, refletindo sobre as diferentes linguagens expositivas e suas relações com a educação em museus, bem como os principais desafios que as instituições enfrentam para qualificarem-se como espaços de excelência na educação patrimonial.

No segundo dia de atividades, Machado apresentou brevemente os aspectos sobre a aprendizagem em museus, destacando alguns sistemas de aprendizagem em museus, utilizados como objetos de estudos na âmbito acadêmico. Durante a tarde, os participantes foram à exposição de longa duração do Museu Ferroviário Regional de Bauru e analisaram suas características principais, orientados por um roteiro entregue previamente.

No terceiro e último dia do primeiro bloco de atividades, estudamos previamente o programa educativo do Museu da Imigração, de São Paulo, analisando sua estrutura formal e os conteúdos vislumbrados no documento. Durante a tarde, divididos em grupos e orientados por um novo roteiro introdutório, os participantes começaram a discutir as primeiras bases do documento que será o produto final da ASTECA, o programa educativo do Museu Ferroviário Regional de Bauru.

Além das apresentações de todos os encontros, disponibilizaremos também uma série de bibliografias complementares que podem ser usados na elaboração das atividades extras ou no próprio dia a dia institucional de cada participante ou demais interessados. Para acessar os materiais do primeiro bloco, clique nos links abaixo:

Apresentações

Apresentação 1 – O caráter educativo do Museu

Apresentação 2 – O que se espera da linguagem expositiva

Apresentação 3 – Desafios da educação em museu

Apresentação 4 – Aspectos sobre a Aprendizagem em Museus

Apresentação 5 – Análise do Programa Educativo

Atividades

Educação em museu – Exercício de observação

Exercício de estruturação e elaboração de política educacional

Bibliografia Complementar

Conceitos que transformam o museu, suas ações e relações

Do teatro da memória ao laboratório da História – Ulpiano T. Bezerra de Meneses, 1992

Educação formal fora da sala de aula

Museus e Acessibilidade – IPM

Museus em transição

O Museu Histórico como agente de Ação Educativa

Potencial Educativo dos museus

Processo Museológico – critérios de exclusão

Um pouco da história da museologia brasileira – entrevista com Magaly Cabral

A favor da desescolarização dos museus

A História, cativa da memória -Ulpiano T. Bezerra de Menezes, 1992

A problemática da identidade cultural nos museus – Ulpiano T. Bezerra de Meneses, 1982

A relação entre Museu e Escola

Conceitos-chave da Educação em Museus

Carta de Petrópolis

Links de interesse

Plano Museológico – Museu Casa de Portinari

Plano Museológico – Museu Índia Vanuíre

Plano Museológico – Museu da Imigração

Parâmetros Curriculares Nacionais – 1ª a 4ª série

Parâmetros Curriculares Nacionais – 5ª a 8ª série

Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Médio

Módulo V – Elaboração de Projetos encerra o Curso de Capacitação para Museus de Botucatu

IMG_0930Nos dias 7, 8 e 9, na Secretaria Municipal da Educação do Município de Botucatu, ocorreu o fechamento do Curso de Capacitação para Museus do segundo semestre com a apresentação dos professores Marcos Terra e Barbara Rodarte, responsáveis pela disciplina de Elaboração de Projetos.

No primeiro dia de aulas, o professor Terra fez uma apresentação sobre as principais características, mecanismos e dicas sobre a Lei nº 8313 de 1991, mais conhecida como “Lei Rouanet”. Em seguida, ele se debruçou sobre a figura de um projeto cultural enquanto recurso retórico, que possui uma estrutura própria e que demanda estratégias específicas para uma construção coerente e objetiva.

No dia seguinte, a professora Rodarte apresentou o ProAC Editais e o ProAC ICMS, recursos da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo para o fomento a projetos de natureza cultural. Além disso, a docente se debruçou também sobre os Editais elaborados pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), destacando suas características e peculiaridades.

No terceiro e último dia de aulas, o professor Paulo Nascimento, da disciplina de Museus e Processos Museológicos, aplicado no Módulo I do curso, voltou à sala para o retorno das atividades desenvolvidas pelos alunos em agosto. Ele, os professores Terra e Rodarte, e o diretor do Grupo Técnico de Coordenação do SISEM-SP, Davidson Kaseker, formara a banca avaliadora dos projetos de conclusão de curso dos alunos, que se apresentaram na parte da tarde.

O professor Terra, disponibilizou suas apresentações para consulta e pesquisa. Para baixá-las, basta clicar nos links abaixo:

LEI ROUANET

PROJETOS CULTURAIS

Não haverá edições do Curso de Capacitação para Museus no ano de 2016, que serão substituídas por ações piloto de formação e assessoramento técnico com temas específicos. Oficinas direcionadas na área de Elaboração de Projetos também estão previstas para o próximo ano.

Ação Educativa e Comunicação Institucional são apresentadas no Módulo IV do Curso de Capacitação para Museus de Botucatu

20151109_133722Nos dias 9, 10 e 11 de novembro, na Secretaria Municipal da Educação de Botucatu, os professores Laerte Machado e Maria do Carmo Esteves apresentaram as disciplinas de Ação Educativa e Comunicação Institucional do Módulo IV do Curso de Capacitação para Museus.

No primeiro dia de aulas, o professor Machado destacou as diferentes formas e locais de se educar, bem como as diferentes formas de educação aplicadas nas instituições museológicas, respeitando suas peculiaridades e as características de suas coleções. Os alunos participaram também de uma atividade na qual tiveram de analisar perceptiva e cientificamente, para em seguida realizar uma releitura artística, de uma lata de sopa de tomate da marca Campbell’s, conhecida artisticamente através das obras de Andy Warhol. A importância da presença do serviço educativo no processo curatorial, bem como as diversas formas de aprendizagem nos museus também foram destaques do dia 9.

No segundo dia de aulas, o docente se debruçou sobre estratégias para a diversificação dos públicos de museus, bem como sobre as recomendações para um bom serviço de agendamento e administração do setor educativo, destacando a importância da identificação e realização de parcerias institucionais e a necessidade do estabelecimento de procedimentos de avaliação para o desenvolvimento de seus serviços.

No terceiro e último dia, a professora Maria do Carmo Esteves introduziu sua apresentação com alguns conceitos gerais sobre Comunicação, destacando as características dos novos paradigmas de superação das fronteiras geográficas. Salientou também as características que diferenciam a comunicação museológica, calcada nas áreas técnicas do museu, e a comunicação institucional, voltada para a divulgação do equipamento cultural. A docente concluiu sua aula com a apresentação do Plano de Comunicação para Museus de Pequeno Porte e o Projeto Trilha Cultura, dois exemplos práticos de estratégias de comunicação institucional desenvolvidas pelo SISEM-SP.

Os docentes disponibilizaram seus materiais para consulta e leitura a todos os alunos e interessados. O Curso de Capacitação para Museus retorna suas atividades nos dias 7, 8 e 9 de dezembro, o quinto e último módulo: Elaboração de Projetos.

Apresentação 1 – Sistematização de conceitos

Apresentação 2 – O que se espera da linguagem expositiva

Apresentação 3 – Ação Educativa e suas estratégias

Apresentação 4 – Função social do Museu

Apresentação 5 – Estratégias para diversificar o perfil de visitantes

Apresentação 6 – Processo de mediação para diferentes públicos

Apresentação 7 – Avaliação

Atividade de leitura de Objeto

Atividade de leitura de Obra de Arte

Comunicação Institucional

Plano de Comunicação Institucional para Museus de Pequeno Porte

Programa de Modernização dos Museus Paulistas

Módulo III do Curso de Capacitação para Museus aborda os temas Curadoria e Expografia

20151005_170019Nos dias 5, 6 e 7 de outubro, na Secretaria Municipal da Educação de Botucatu, a professora Karina Teixeira e Renato Baldin ministraram as disciplinas de Curadoria e Expografia do Curso de Capacitação para Museus deste segundo semestre.

Responsável pelas aulas do primeiro dia e pela manhã do segundo, Teixeira destacou a importância da interdisciplinaridade do trabalho da curadoria em museus, estimulando a existência do diálogo técnico e prático entre as diversas áreas presentes nas instituições museológicas. Salientou também a figura do curador e dos demais profissionais de museus como mediadores entre o patrimônio cultural preservado e seu público, visto como a instância legitimadora para seu reconhecimento.

Na segunda metade do módulo, o professor Baldin sobre as especificações técnicas de exposições museolóficas, demonstrando que diferentes opções leitura que uma mostra pode oferecer ao seu visitante. Noções de aproveitamento dos espaços expositivos, as tendências de fluxos de visitações, as diferentes formas de disposição dos objetos, bem como noções básicas de iluminação e o uso de cores e sombras foram outros aspectos levantados durante as aulas.

Os professores disponibilizaram uma série de materiais de referência e uma bibliografia básica de referência. A professora Karina Teixeira repassou as fichas de avaliação de conteúdos expositivos e de instituições museológicas utilizadas na atividade prática desenvolvida em sala de aula. Já o professor Baldin, por sua vez, ofereceu as apresentações realizadas durante o módulo:

A Produção de Conhecimento nos Museus e os Processos Curatoriais

A Exposição – Equipes, Elaboração, Etapas e Trabalho

Apostila Módulo III – Curadoria (Karina Alves)

Ficha – Pesquisa e Criação de Exposições

Ficha – Pesquisa e Produção de Conhecimento a partir de acervos e coleções

Apresentação 1 Renato Baldin – Montagem da Exposição: da Curadoria à Expografia

Apresentação 2 Renato Baldin: Pilares da Exposição Museológica

Apresentação 3 Renato Baldin – O Espaço

Apresentação 4 Renato Baldin: Leituras Expositivas

Apresentação 5 Renato Baldin: Públicos e Técnicas

RICO, Juan Carlos. “Proyecto de Investigación Museografica” (1986-2015) – PDF

Reprograme. Comunicação, Branding e Cultura numa Nova  Era de Museus.  Luis Marcelo Mendes (org.), 2012 (1º. Edição).

Cortella, Mario Sergio; Dimenstein, Gilberto. A Era da Curadoria – o Que Importa É Saber o Que Importa! Papirus 7 Mares, 2015.

Curso de Capacitação para Museus realiza o Módulo II – Conservação Preventiva e Documentação Museológica

IMG_0820Nos dias 14, 15 e 16 de setembro, a Secretaria Municipal da Educação de Botucatu recebeu o Módulo II – Conservação Preventiva e Documentação Museológica do Curso de Capacitação para Museus.

Ministrada pela professora Andrea Zabrieszach, a disciplina de Conservação Preventiva destacou a importância do estabelecimento de ações de preservação de natureza gerencial, financeira e técnica, aplicadas para retardar a deterioração e prevenir danos, prolongando a vida útil dos materiais que compõem o acervo. Os principais fatores de degradação dos acervos museológicos (sejam eles físicos, químicos ou humanos), os principais equipamentos utilizados para o monitoramento dos espaços de guarda e expositivos e diversos estudos de caso relacionados à montagem de visitas técnicas, procedimentos de manuseio e transporte foram outros detalhes trabalhados em sala de aula durante os dois primeiros dias de aula.

A partir da tarde do dia 15 de setembro, a professora Marilúcia Bottallo assumiu a disciplina de Documentação Museológica definindo o conceito de Salvaguarda Patrimonial e destacando as peculiaridades da documentação em museus em relação a outros espaços de guarda como arquivos e bibliotecas. Salientou também a importância do estabelecimento de uma política de acervos que norteie os principais procedimentos relacionados à gestão do patrimônio cultural de um museu. Alguns métodos de catalogação museológica, sejam eles informatizados ou não, também foram trabalhados no intuito de destacar a importância dos metadados para a realização de uma administração adequada das coleções museológicas.

O Curso de Capacitação para Museus retorna nos dias 5, 6 e 7 de outubro, com o Módulo III – Curadoria e Expografia.

Botucatu recebe primeiro módulo do Curso de Capacitação para Museus

IMG_0790

Nos dias 10, 11 e 12 de agosto, o Município de Botucatu recebeu o primeiro módulo do Curso de Capacitação para Museus do segundo semestre de 2015. Enquanto que nos dois primeiros dias de aulas, os alunos puderam ter contato com uma introdução detalhada do trabalho na área museológica com a disciplina Museus e Processos Museológicos, ministrada pelo museólogo Paulo Nascimento, o terceiro dia foi reservado para orientá-los nas atividades que resultarão no trabalho de conclusão do Curso, por meio de uma apresentação dos professores Marcos Terra e Barbara Rodarte, que conduzirão as aulas da disciplina de Elaboração de Projetos.

Um dos destaques da apresentação do professor Nascimento foi a definição dos processos museológicos, que compreendem nas atividades-fim dos museus relacionadas ao tripé Comunicação, Preservação Pesquisa. Os novos desafios das instituições museológicas, que acompanham o próprio desenvolvimento da sociedade, também foi um dos elementos levados para a reflexão em sala de aula, sendo ilustrado pela projeção de um documentário sobre o Museu da Maré, no Rio de Janeiro:

A gestão dos museus também foi outra pauta importante da aula, fazendo com que o docente se debruçasse de forma mais específica sobre os principais passos para a implantação de uma instituição museológica.

O plano museológico, documento norteador que atua como uma ferramenta de planejamento estratégico dos museus, foi o principal tema do segundo dia de aula; os alunos se debruçaram sobre os principais programas que o compõem bem como sobre a importância de seguir as orientações determinadas no documento.

No terceiro e último dia do módulo, os professores Marcos Terra e Barbara Rodarte apresentaram as principais características dos Editais ProAC, bem como as estruturas de preenchimento dos documentos e da comissão de avaliação dos trabalhos. Em seguida, expuseram algumas definições importantes a linguagem dos projetos culturais, bem como os objetivos que devem ser atingidos com a sua redação.

Durante a tarde, os alunos se reuniram nos grupos que darão origens aos textos finais a serem apresentados no término do quinto e último módulo em dezembro. Após a definição das regras básicas para a confecção dos trabalhos (valor máximo de R$ 100 mil, envolver duas ou mais instituições e com um período de execução máximo de 10 meses), uma atividade de Brain Storm sugerida pelos professores auxiliou os alunos a definir um primeiro escopo dos projetos.

O Curso de Capacitação para Museus retorna em setembro, com as disciplinas de Conservação Preventiva, ministrada pela professora Andréa Zabrieszack, e Documentação Museológica, com a professora Marilúcia Bottallo.

Materiais de Referência para Consulta

Aula 1 – Desenhando o Projeto – Botucatu – SISEM 2015

Estatuto dos Museus (Lei 11.904/14.01.2009)

Manual “Subsídios para a criação de museus municipais”

Ações de fomento do SISEM-SP

Curso de Capacitação para Museus – Santos 2015 é encerrado com o Módulo V – Elaboração de Projetos

IMG_0241

Nos dias 8, 9 e 10 de junho, no Museu Pelé, em Santos, o Curso de Capacitação para Museus concluiu suas atividades com o seu quinto e último módulo, Elaboração de Projetos.

Os professores Marcos Terra e Barbara Rodarte retornaram às atividades em sala de aula com apresentações sobre os principais mecanismos de fomento e com as orientações aos grupos para o término de seus trabalhos de conclusão de curso.

No primeiro dia de aulas, a professora Rodarte apresentou as principais características dos Editais ProAC, se dedicando a oferecer dicas de preenchimento do texto a ser enviado a estes editais, bem como refletir sobre os principais critérios para a aprovação ou não de uma instituição proponente. Por sua vez, a apresentação do professor Terra se dedicou a refletir sobre as principais estratégias a serem adotadas para a confecção de um projeto cultural.

No segundo dia, os docentes se dedicaram em apresentar as principais características dos editais de fomento desenvolvidas em jurisdição federal, com destaque para a Lei 8.313, mais conhecida como Lei Rouanet.

No terceiro e último dia de aulas, os alunos apresentaram seus projetos aos professores e aos colegas, favorecendo a reflexão e a troca de idéias e com o intuito de qualificar os projetos para serem contemplados nos editais ProAC de 2015.

O Curso de Capacitação para Museus retornar em agosto, quando retorna ao interior de São Paulo, no Município de Botucatu.

Curso de Capacitação para Museus realiza o Módulo IV – Ação Educativa e Comunicação Institucional

Atividade - Ação Educativa

Durante os dias 11, 12 e 13 de maio, no Museu Pelé, em Santos, ocorreu o Módulo IV – Ação Educativa e Comunicação Institucional do Curso de Capacitação para Museus – Santos 2015. Ministrado pelos professores Laerte Machado e Maria do Carmo Esteves, o módulo tratava de duas importantes áreas responsáveis pelo funcionamento de uma das três faces da cadeia operatória da Museologia – a Comunicação.

Nos dois primeiros dias de aula, Laerte Machado se debruçou sobre alguns dos principais conceitos relacionados à educação em museus, bem como os procedimentos básicos para a gestão e bom funcionamento do serviço educativo dessas instituições. O docente ainda destacou a ação educativa como elemento fundamental na relação de interdependência entre as várias áreas dos museus, bem como a necessidade das atividades desenvolvidas pelo setor estarem em perfeita consonância com as propostas e missões destes equipamentos.

No terceiro e último dia de atividades, Maria do Carmo Esteves dedicou-se em destacar a a figura do museu como uma instituição voltada para a comunicação por excelência. Refletiu também sobre a importância de uma relação dialética e racional entre a utilização de novas tecnologias de informação e a execução das ações dos museus de acordo com suas missões. A docente se debruçou também sobre a diferença entre Planos de Comunicação de museus, responsáveis pela divulgação de atividades das instituições museológicas em sua essência, e Planos de Divulgação, projetos voltados para orientar estratégias de divulgação de ações direcionadas com períodos de execução pré-determinados. Como cases apresentados aos alunos sobre iniciativas voltadas para a comunicação institucional de museus, Esteves destacou três projetos realizados em parceria com o Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP): o Projeto Orla Cultural, que articula instituições que articula museus na região da Baixada Santista; o Projeto Trilha Cultural, que tem o mesmo objetivo que o anterior, mas nos equipamentos do Município de Taubaté; e o Plano de Comunicação para Museus de Pequeno Porte, documento que norteia os gestores de museus na elaboração de um plano de comunicação para suas próprias instituições.

O Curso de Capacitação para Museus retorna em junho, nos dias 8, 9 e 10, para o Módulo V – Elaboração de Projetos e Museus e Processos Museológicos.

Para fazer o download das apresentações do professor Laerte Machado, clique nos links abaixo.

Apresentação 1 – Sistematização de conceitos

Apresentação 2 – O que se espera da linguagem expositiva

Apresentação 3 – Ação Educativa e suas estratégias

Apresentação 4 – Função social do Museu

Apresentação 5 – Processos de mediação para diferentes públicos

Apresentação 6 – Avaliação